O declínio mental não vem com a idade, vem com as doenças


É importante ficar em forma para prevenir a demência, uma vez que parece que o declínio mental não vem com a idade, vem com as doenças. Quase metade de todos os casos de demência poderiam ser evitados ou retardados com a adoção de 12 medidas de prevenção. Esta é a conclusão de uma revisão sistemática do saber científico atual, coordenada por uma equipe da Universidade de Melbourne, na Austrália, mas contando com 28 especialistas em demência de todo o mundo. Os pesquisadores identificaram os maiores fatores de risco conhecidos para demência: Tabagismo, Consumo excessivo de álcool, Pressão alta, Obesidade, Diabetes, Depressão, Perda auditiva, Exposição à poluição do ar, Falta de exercícios, Falta de contato social, Traumatismo craniano, Nível de educação. Minimizar os 10 primeiros riscos, que são evitáveis, e contar com bons resultados nos dois últimos, pode prevenir ou atrasar até 40% dos casos de demência em todo o mundo.

Prevenção - "As pessoas que têm familiares com demência costumam me perguntar: 'Há algo que eu possa fazer para me impedir de contrair isso?'," contou o Dr. David Ames, um dos autores da análise. "Certamente há algumas coisas que você pode fazer que podem fazer a diferença." Por exemplo, a revisão constatou que as pessoas podem se proteger parcialmente não fumando, bebendo menos de 21 unidades de álcool por semana, mantendo uma pressão arterial sistólica inferior a 130 mmHg, evitando atividades que poderiam levar a traumatismos cranianos, usando aparelhos auditivos se necessário, comendo uma dieta saudável, praticando exercícios e socializando-se regularmente. Mesmo as pessoas mais velhas podem retardar ou até mesmo prevenir a demência tomando medidas para melhorar seu estilo de vida, disse Ames: "Nunca é muito cedo e nunca é tarde para pensar em reduzir o risco".

Políticas públicas contra demência - Além de fazer recomendações para as pessoas individualmente, o painel de especialistas pede aos governos que protejam suas populações da demência oferecendo educação primária e secundária para todas as crianças, melhorando a qualidade do ar, promovendo comportamentos saudáveis e desencorajando o fumo e o consumo excessivo de álcool. Na América Latina, por exemplo, estima-se que 56% dos casos de demência poderiam ser evitados ou adiados com políticas focando os 12 fatores de risco.

Limites para a prevenção - Há um limite para o quanto você pode prevenir a demência com intervenções no estilo de vida, porque o cérebro inevitavelmente começa a se "desligar" na velhice, especialmente em pessoas que vivem acima dos 100 anos, diz Ames. "Nós nos tornamos muito bons em evitar que as pessoas morram de coisas como diarreia infantil, e isso significa que agora temos uma alta expectativa de vida," disse ele. "Se você ficar por aqui por tempo suficiente, alguma coisa acabará pegando você, e a demência é uma dessas doenças."


(Texto extraído do artigo científico “Dementia prevention, intervention, and care: 2020 report of the Lancet Commission”, dos autores Gill Livingston, Jonathan Huntley, Andrew Sommerlad, David Ames e outros diversos colaboradores, publicado no The Lancet)

Saúde e longa vida!

Instituto Ortopedia & Saúde | 11 3289 8000

Instituto Ortopedia & Saúde

Rua Itapeva, 490 - 10o. andar - São Paulo, SP (Próximo da Av. Paulista e do Metrô Trianon-Masp)

Telefones:  (11) 3289 8000  |  (11) 3373 8899  |  faleconosco@ortopediaesaude.org.br

Acompanhe-nos pelas redes sociais

  • TV Saúde no Youtube

Curadoria:  Rodrigo N. Ferraz  |  rodrigo@upbeatconsulting.com.br  |  55 11 5199 2919