CUIDADOS PREVENTIVOS PARA A SAÚDE DA MULHER: O MELHOR CAMINHO PARA UMA VIDA PLENA


Elas somam mais de 105 milhões no país. São 6,3 milhões de mulheres a mais do que homens no Brasil e seguem atuantes em todos os cenários da sociedade, do profissional ao voluntariado, com o desejo de permanecerem ativas por toda a vida. Mas, o tempo, justamente ele, requer atenção especial. Envelhecer com saúde é um grande desafio. Por isso, pensar no autocuidado de forma preventiva é o melhor caminho para permanecer saudável por muito mais tempo.

A longevidade no Brasil já é uma realidade em franca expansão. Nos últimos 10 anos o país ganhou 8,5 milhões de pessoas com mais de 60 anos e possui hoje 26 milhões de cidadãos que se tornarão 37 milhões em 2027.

Este cenário demonstra a importância que as instituições públicas e privadas, assim como toda a sociedade, devem dar à saúde e à manutenção da qualidade de vida no processo de envelhecimento, de forma a preservar e manter a capacidade funcional, a mobilidade e independência desta população. A todo momento pesquisas revelam novas possibilidades para a longevidade e para o envelhecimento saudável através da mudança de hábitos, da atividade física e tratamentos preventivos.

Doenças como a osteoporose decorrente, na grande maioria dos casos, do processo de envelhecimento, podem ser prevenidas. Hoje a osteoporose atinge 10 milhões de pessoas no Brasil, (mais mulheres do que homens), sendo 25% das mulheres em fase de pós-menopausa.

A osteoporose é uma doença metabólica sistêmica, assintomática e silenciosa, que se caracteriza pela perda de massa óssea, levando à fragilidade dos ossos com consequente aumento do risco de fraturas e incapacitação funcional. O pico de massa óssea e sua perda estão principalmente relacionados à idade.

De acordo com a ABRASSO - Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo - a incidência de fraturas decorrentes da osteoporose ( fêmur e coluna vertebral) no Brasil, é preocupante e com alto risco de mortalidade, sendo sua prevalência maior que o número de casos de câncer de mama, enfarte do miocárdio e acidente vascular cerebral. Novos casos de fraturas, por ano, variam de 5 para cada 1000 pacientes, em mulheres de 50 anos; na faixa etária de 70 a 80 anos são 25 casos para cada 1000 mulheres.

Os principais fatores que podem levar à perda da densidade mineral óssea significativa evoluindo para a osteoporose são:

  • mulheres a partir da menopausa

  • etnias amarela e branca

  • idade avançada

  • uso de certos medicamentos como os corticóides e bloqueadores hormonais

  • hereditariedade

  • baixo peso

  • alimentação com baixa ingestão de cálcio e vitamina D

  • consumo de bebidas alcoólicas e cigarros

  • sedentarismo

  • algumas doenças osteo-metabólicas.

Estudos de metabologia comprovam que a densidade óssea aumenta até os 30 anos e declina de acordo com o estilo de vida. Dr. Fabio Ravaglia, ortopedista e diretor da Arthros Clínica explica que, em consulta o médico pode avaliar a necessidade da realização da densitometria óssea que é o exame indicado para mulheres com mais de 65 anos, no tratamento e prevenção da osteoporose.

Outro estudo realizado na Universidade de Gotemburgo, Suécia, revela que a demência no envelhecimento pode ser prevenida. Segundo a pesquisa, o alto nível de condicionamento cardiovascular de mulheres de meia idade, está relacionado à redução em 90% do risco de desenvolvimento da demência, indicando uma relação entre atividade física e preservação de funções cognitivas. O estudo acompanhou um grupo de mulheres por 44 anos divididas em excelente condicionamento físico e condicionamento moderado. Posteriormente, os estudos constataram que as ocorrências de demência no primeiro grupo aconteceram 11 anos depois que no segundo grupo, ou seja, quando as mulheres estavam com 90 anos, ao invés de 79 anos.

Estas descobertas ampliam e reforçam o leque de benefícios proporcionados pela prática de atividades físicas e esportes como ações preventivas para que mais mulheres tenham uma vida longeva, com saúde.

Veja algumas dicas importantes para manter-se saudável por muito mais tempo:

Alimentação: a nutrição tem um papel muito importante na formação de massa óssea, em especial o consumo de proteínas, laticínios (leite, queijo branco e iogurtes, de preferência uma porção de cada, por dia ) e verduras.

Estilo de vida: a prática de atividades físicas além de afastar o sedentarismo, reduz o estresse e estimula o convívio social.

Sono: dormir 7 a 8 horas ininterruptas por noite é importante. Horas a mais ou a menos podem afetar a memória, a estabilidade emocional e a produtividade.

Avaliações periódicas: fazer avaliações médicas com mais frequência, principalmente após os 50 anos. Veja como anda a saúde óssea, neurológica, cardiológica, ginecológica, entre outras.

O seu tempo: ter um tempo dedicado à você é essencial entre tantas tarefas diárias. Dedique-se à realização de coisas agradáveis que a deixam feliz.

É consenso na classe médica que para a prevenção de doenças futuras quando mais cedo a pessoa adota a mudança de hábitos para uma vida saudável, tanto melhor, conclui Dr. Fabio Ravaglia.

Fontes: PNAD/ IBGE/ ABRASSO/Medscape

Instituto Ortopedia & Saúde

Rua Itapeva, 490 - 10o. andar - São Paulo, SP (Próximo da Av. Paulista e do Metrô Trianon-Masp)

Telefones:  (11) 3289 8000  |  (11) 3373 8899  |  faleconosco@ortopediaesaude.org.br

Acompanhe-nos pelas redes sociais

  • TV Saúde no Youtube

Curadoria:  Rodrigo N. Ferraz  |  rodrigo@upbeatconsulting.com.br  |  55 11 5199 2919